domingo, 7 de janeiro de 2018

SOPINHA DE SANTAS FLORINHAS ....


SOPINHA DE SANTAS FLORINHAS

Floriu a magnólia na rotunda,
desacelero olhando-a embevecido,
o carro cheirando a pinheiro da Escandinávia,
comprado no chinês por um eurito.

Uma árvore triangular, papel pastoso,
pastoso e cheiroso, dançando pendurada,
também há de nardos, alfazema e anis,
p’ra gente orgulhosa e narizes mais subtis.

Nunca fui subtil, mas conheço, 
o Subtil, e o cunhado dele o Gentil, 
reformados de França, plantavam lavanda,
bons petizes, bons narizes.

Eu amo a sensibilidade, as violetas,
a Violeta, a Margarida, a Rosa, a Dália,
e desde gaiato tantas outras vestais,
desde os passeios entre flores de auracária,
desde quando vi tulipas em postais.

Lembro esses passeios matinais, os madrigais,
p’los campos floridos e grandes quintais, 
colhendo e cheirando os lírios,
os narcisos, as giestas, papoilas, 
os dentes de leão e as moçoilas. 

Inspirando fundo, inflando o ego, 
o Narciso crescendo em mim, 
a experiência c’os feijoeiros,
depois c’as ervilhas de Mendel,   
olhar atento à botânica, a Garcia da Horta
ao quinchoso do avô Darwin,
à flora, à fauna, às espécies,
também a Wallace e Lamarck.

Uma semente enterrada num vaso,  
o milagre no dia dos meus anos, 
o feijoeiro aos onze,
a tulipa aos doze, dum bolbo,
depois um pulo, e eu quase homem,
e aquela tipa, aquelas tipas, 
enfiando em mim borboletas vivas, 
pelas tripas,
até arrotar, até aprender a dizer
gentis senhoras, meninas, moças,
mulheres.

Existem variegadas espécies,
como os talheres, a cutelaria,
a faiança, a ourivesaria, 
mulheres d'oiro a tua tia,
respect,
respect se queres ser respeitado,
e adorado
essa é a verdade rotunda. 

Évora, por Humberto Baião aos 07 E 08 de Janeiro do ano de 2018

cultivo-de-orquideas-5
jasmim-manga
sementes-de-sempre-viva-helichrysum-bracteatum-comtem-03g-512301-mlb20287957658_042015-f
erysimum_allionii
748e39a31a9a25e08a44d0b3af2a9a85



terça-feira, 2 de janeiro de 2018

485 - POIS, LAMBUZEM-SE, E BOM PROVEITO...

Nuno Rolo, Nolo, pintor

           NEW CONCEPT COFFEE & SHOP INTRODUÇÃO AO ROTEIRO DA EXPOSIÇÃO



Em primeiro lugar o New Concept Coffee & Shop desejou-nos a todos um bom Ano Novo, repleto de felicidade e bem-estar. Foi nesse contexto que nos ocorreu desenvolvermos esta pequena exposição, contribuir para o bem-estar dos amigos e clientes, tornar mais agradável a sua estada neste café, mesmo que breve, e em simultâneo tornar este lugar um lugar de maior convívio, quiçá um local de tertúlias e conspirações.

Enveredámos pela escultura/pintura por termos entre amigos clientes  consagrados e amadores em ambas as áreas, e por desejarmos que o novo conceito de café com que fora inaugurado o New Concept se cumprisse. Cumprir é dar também espaço, voz e vez aos artistas locais, dá-los a conhecer tanto quanto contribuir para que sejam conhecidos e o seu valor reconhecido.

Projectada a “coisa” convidámos alguns artistas locais, o primeiro a demonstrar a sua disponibilidade e solidariedade foi o João Concha da “Rusty Place” ter um consagrado como âncora é já uma garantia de sucesso, está exposto no centro do café, p’ra deslumbrar, p’ra surpreender, mas também porque isto da consagração e da antiguidade também é um posto, é um artista conhecido e batido nestas lides, galardoado, bom tipo, terapeuta, pachorrento, bonacheirão, amigo de toda a gente, comedido quanto deve ser um artista. 

          A primeira vez que deparei com a sua obra foi há uns anos quando ao erguer os olhos a vista se me distendeu sobre a praça e vi os bonecos, os bonecos é como quem diz, as suas figuras, dei então comigo pensando quanta beleza e sentimento em cada uma, quanta paixão, quanta arte, quanta inspiração e quanto amor. Peças ali especadas, um pouco espalhadas por toda a praça, idealizadas com tanto carinho, feitas com tanta dedicação e primor. Enterneceu-me a paixão dele por elas ou jamais teriam sido feitas, comoveu-me a entrega que exigiram, o sacrifício de horas em seu redor até que completadas.

A consagração a causas nobres sempre me perturbou, e juntar grão a grão, bocadinho a bocadinho, dia a dia, semana a semana, mês a mês, ano a ano, os materiais p'ra elas é coisa que testemunha um estado de espirito que vai muito pra além da imaginação, quem assim procede é um sonhador, tem um sonho, e esse sonho ou essa causa que o move só pode ser uma enorme ânsia de evasão. Fugirá de si mesmo, incapaz de se aventurar sobre a frágil ponte do desfiladeiro da confiança, sonha, sonha e evade-se, fugindo de si próprio tornando-se por momentos outro, e é esse outro que não ele quem nos oferece de bandeja a beleza da criação, o resultado desses momentos de desvario e inspiração, o resultado dessa ocasião de libertação e grandeza porque raramente o artista cabe no corpo terreno, mortal e limitado que tende a parasitá-lo como uma crisálida.

Além dele ofereceu o peito à solidariedade o José da Fonseca, o nosso Picasso das colagens, também ele já rodado e com muitas exposições no curriculum é outro apoio sólido, como se diz agora, uma mais-valia considerável e nada despicienda, só pode ser um bom tipo, um bom rapaz, ingénuo mas sentimental, sempre desperto à novidade... encerrado na ingenuidade duma criança, olhando tudo como se fosse a primeira vez, com muito por aprender e a quem os horizontes estreitos desta terra nunca permitirão levantar voo ou sonhar mais alto que o Palácio do Barrocal ou a Igreja de S. Vicente, talvez um oitavo de página no jornal da terra e umas imagens partilhadas no Facebook entre amigos para desfastio. 

      Arregimentámos também a Helena Sousa pois merece público, exposição, a arte em certas geografias só tem becos e não auto-estradas, estes dois já o devem ter descoberto por si mesmos. É uma existencialista persistente a Helena Sousa, uma dona de casa exemplar e prendada. Cooptámos naturalmente os manos Nuno Rolo e Manuel Carvalho, em busca da celebridade e cuja história, verídica, deu azo a esta exposição * pois este é o nosso modo de meter as mãos nas tintas, nas cores, no ferro, pois não pode ser só no café, nas sandes e nos bolos, porque a vida só é bem vivida se nos lambuzarmos dela, não é o que dizem?

A coisa começou com dois carapaus disputando a pujança dentro dum grupo de “Amigos Do Pidal” que pedalam. De semana trabucam e ao fds trocam impressões, sentados aqui, na esplanada do New Concept Coffee & Shop, onde esgrimem pedaleiras, calções, carretos, equipamentos, rodados, óculos de vidrado espelhado, pisos, mas também riscos, cores, desenhos, esquiços, pinturas, quadros e visões, sonhos. Foi num destes momentos que os apanhámos, o que foi uma verdadeira revelação, aliás uma grande surpresa. Então não foi que após tantos anos vividos na mesma cidade, sem se conhecerem, as bicicletas os aproximaram? Talvez não devamos dizer aproximaram, talvez devamos dizer ligaram, já que entre eles se descobriram ambos adeptos das mesmas cores, das mesmas tendências, do mesmo gosto pelos lápis, pelo carvão, traço, risco, desenho, pintura, até se descobrirem ambos pintores, artistas da tela e do pincel, das bisnagas, dos cavaletes, tendo-se então olhado bem e descoberto a si mesmos iguais em muitas coisas, até na cor dos olhos e, de descoberta em descoberta, chegaram à conclusão que o pai de um deles assim assado mas também o pai do outro assado e assim, p’lo que apesar de demorada a coisa acabou por ser concluída, eram irmãos ! Digo meio irmãos !

Não foi mesmo uma revelação surpreendente? Ficámos admirados, espantados, pasmados com a constância e exuberância dos genes, dos cromossomas, do ADN.

Claro que depois surgiu naturalmente a pergunta; por que não contar esta linda história? Como contá-la? De que modo a contar? Arranjando uma base, um pódio onde colocar os manos em exposição e com uma pequena legenda por baixo? Vestidos de ciclistas? Nus? De pincel na mão? Como podem ver optámos por uma exposição.

A pintura da amadora Helena de Sousa, sabemo-lo hoje, foi desenvolvida sobretudo num período da sua vivência em que, para calar ou esquecer a dor se apoiou nas telas e nos pincéis como ascese, como prática e causa da meditação e devoção afinal essenciais à superação de si mesma. O produto dessa catarse com que purificou corpo e espírito encontra-se difundido por uma dezena de casas de amizades suas tendo sido possível apresentar-vos unicamente duas das suas obras.


Não diríamos que os artistas sejam poço de devaneios libertários e criativos ou arrastem na consciência recordações recalcadas de que urgem libertar-se apesar desta nossa peculiar democracia, todavia a emoção com que vivem a vida e o sentimento de amor com que à escultura ou pintura se entregam, fazem-nos intuir tratar-se de sacudir uma sofrida repressão de que só a arte os libertará. É notório nos seus trabalhos o afrontamento às dores do viver, e a busca de sensações vívidas que não arrastem padecimento, sofrimento, desgosto, mágoa, pesar, antes lhe tragam paz, bem-estar e prazer.

Optámos por esta exposição, será giro ver, observar como eles vêem o mundo e no-lo mostram. 

            Lambuzem-se, e bom proveito.



















João Concha, escultor

ESCULTURAS  - João Concha:A imagem pode conter: 1 pessoa, óculos graduados, barba e closeupA imagem pode conter: 1 pessoa, óculos graduados, barba e closeup

E6 - Mulher com flor.
E7 - Máscara
E8 - Guitarra baixo
E9 - Quadro com flor
E10 - Médico
Quanto a preços devem os interessados contactar o 962565692


 José da Fonseca, pintor                                                                        José da Fonseca, pintor

PINTURAS - José da Fonseca:

P1 – José da Fonseca – “Paraíso” 2012, acrílico, colagens e spray s/ tela – 200€
P2 - José da Fonseca  – “Almas” 2017, óleo e spray s/ tela – 200€
P3 - José da Fonseca  – “Canela Spirit” 2014, acrílico e colagens s/ madeira, 100€
P4 – José da Fonseca  – “Acção – Sangue frio” 1999, acrílico s/ tela, 300€
P5 - José da Fonseca  – “Beaux Rêves” 2015, acrílico e colagens s/ papel, 250€

QUADROS - Helena Sousa:
Helena Sousa, pintora

30T -  “ A Dor Na Flor ” - pintura a óleo (preço a combinar)
31T - “ Limpa Pincéis “ – pintura a óleo (preço a combinar)

Nuno Rolo – “Nolo” pintor

TELAS - Nuno Rolo – “Nolo”:

1T - Batalha-70/90cm 150€ 
2T - Gritos - 1000/60cm 80€
3T - Vícios - 1000/60cm 200€
4T - Usada - 68/92cm 150€
5T - Desejos - 1000 /70 cm 120€
6T - Secreto - 1036/110cm 250€
7T - Sensações - 1037/90cm 250€
8T - Deep - 1026/1000cm 300€
9T - Molhados 1040/96cm 180€
10T - Desejos Salgados 1026/1000cm 200€ 

PINTURAS - Manuel Carvalho Barão:
Manuel Carvalho Barão, pintor

16T - Salto 1000/80cm 150€
17T - EU 1080/40CM 80€
18T - ALMA 1090/54CM 400€
19T - Abraço - VENDIDO
20T - PRAZER 1080/60CM 280€
21T - Visão 1000/40cm 60€
22T - Oposto - 120€
23T - Incógnito 1020/60cm 100€
24T - Remendos 1000/80cm 250€
25T - Misteriosa 1000/60cm 300€
26T - Desejos Perdidos 1000/80cm 180€
26aT - Linha  90/60cm 80€
27T - Segredos 90/60cm 150€
28T - Acidente 1000/80cm 100€
29T - Procura 1000/1000cm 100€

Todas as pinturas foram realizadas com tinta acrílica

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

484 - QUEM CASA QUER CASINHA , QUERIA ...

                                

Vendem-se cada vez mais casas em Portugal, mais casas e mais caras, por que razão será isso bom, ou mau ?

Versando este tema lancei há dias numa rede social a pergunta em causa, desafio que pouca gente se dignou aceitar e quem aceitou errou desalmadamente porque as pessoas já nem sabem pensar, colocar o que quer que seja em questão ou ver por trás da aparente realidade que lhes mostram. Ora eu continuava nesse desafio afirmando a quem se dignasse responder e caso errasse que diria mais tarde de minha justiça o que sobre o assunto pensava e penso, pedia somente uns dias e dir-lhes-ia por que não seria a coisa boa, ou por que sim por que razão o será.

Muitas alegações poderão ser feitas com base na questão, umas mais ligeiras outras mais aprofundadas, eu faço-as remontando aos anos do PREC e seguintes, aos anos em que a falta de coragem para tomar medidas ou forjar soluções se começou fazendo sentir, hesitações das quais hoje, neste como em muitos outros aspectos sofremos os nefastos efeitos.

Mui justamente uma das palavras de ordem do 25 de Abril, “pão, paz, habitação” em especial no que à habitação concerne, um dos problemas que ora estamos a sofrer, teve o seu corolário com a ocupação ilegal de casas devolutas, as designadas ocupações selvagens feitas a torto e a direito, submetendo a sociedade a enorme pressão que antiga e justa sede de justiça, sede de democracia, sede de habitar uma casa e a necessidade que estas premissas se cumprissem ditou, sem que contudo o estado se tivesse debruçado sobre o problema e muito menos legislado em conformidade.


A virtude do equilíbrio entre a procura e a oferta foi deste justo modo violentamente alterada e mais o foi ainda quando retornaram à metrópole quinhentos mil portugueses fugidos das ex colónias ultramarinas, o desequilíbrio foi tão gritante, a falta de habitação tão pungente que o prato da gigantesca procura elevou o da exígua oferta de tal modo que as rendas subiram astronomicamente, respondendo naturalmente à exorbitante falta de habitações sentida e ao desalvorado nível que a procura alcançou, tornando a habitação um achado precioso...

 Neste contexto o estado foi, pela pressão das circunstâncias obrigado a legislar, mas fê-lo da pior maneira possível, congelando as rendas, mantendo-as obrigatória e artificialmente baixas, agravando um problema que já era sério e viria nas décadas futuras a codilhar-nos a todos. Com as rendas congeladas quem investiria na habitação ? Quem retiraria delas, habitações, rendimentos para a manutenção das existentes ou um pé-de-meia para futuras construções ? Ninguém, o estado que resolvesse o problema, o que ele estado fez, mal e porcamente como se diz por aqui, através sobretudo da habitação cooperativa de custos controlados e da oferta de casas de rendas sociais. Duas boas medidas, excelentissímas, caso não tivessem pecado por insuficiência.

A situação chegou a atingir o caos, o desastre, e só não redundou em desgraça maior dado o elevado custo dos novos arrendamentos, já então elevadíssimos, facto que tornou compensador ou preferível comprar uma casa com recurso ao crédito bancário, não tendo a ninguém ocorrido que estávamos uma vez mais saindo da lama para nos metermos num atasqueiro. Começara por essa época o triste hábito de não pensar o país, não o pensar a longo prazo, nem a médio nem sequer a curto prazo, como não analisar quer a montante quer a jusante o efeito das leis que iam sendo elaboradas. Com o fascismo, que caía, erguia-se a democracia mas também o improviso, o imediatismo, a irresponsabilidade e a ignorância.

Para fazer face ao afluxo de solicitações de crédito a banca nacional foi lá fora endividar-se, “ignorando” (?) que esse endividamento só a longo prazo seria amortizado, “ignorando” estar o crédito sendo afectado sobremaneira ao sector da construção, “ignorando” outras áreas do sector produtivo quiçá mais proveitosas de desenvolver que a simples construção civil. Cegamente passou a medir-se o crescimento do país pelo número de habitações licenciadas e pela tonelagem de cimento produzido, esquecendo a economia a fulcral área dos bens transaccionáveis e passiveis de exportação. Donde e quando foram exportadas habitações ? E quantas ?

Desregulada a economia, passámos de um deficit de 700 mil casas em 1977 para um superavit d’outras 700 mil em 2016, mas estranhamente este desequilíbrio não afectou o mercado imobiliário, devia ter afectado mas inexplicavelmente não afectou, nem as rendas desceram nem o preço das casas caiu. Portugal mantém assim a sua velhíssima peculiaridade de estar blindado contra os altos e baixos do mercado, não é só a gasolina que sobe sempre e apesar do custo da matéria-prima baixar nos mercados internacionais.

E por falar em petróleo, gasolina, automóveis, direi também que a prática generalizada da opção pela compra de casas ao invés da criação dum verdadeiro mercado de arrendamento, naturalmente forçou os senhorios a optar por construir para vender. Dizia eu que essa opção pela compra minou duas coisas, a primeira foi retirar dinheiro dos bolsos dos casais recém-formados que dessa forma não puderam ajudar o desenvolvimento de outras industrias por falta de poder de compra, ganha-se para a casita, para o carrito, para comer e pouco mais, chapa ganha chapa gasta, a segunda foi a morte da mobilidade do operariado, que impede hoje que trabalhadores do sul, “amarrados” aos seus contratos de compra e venda, às suas casinhas, não possam deslocar-se livremente para o norte a fim de preencheram vagas de emprego ali surgidas e vice – versa. A menos que vendam a sua casita de um dia para o outro e com a riqueza e mais-valias efectuadas consigam passar férias em Bali, comprar um Ferrari, ou dois, e uma outra casita no lugar para onde irão… Só lirismos...

Entretanto a banca, engordada e endividada lá fora, com uma divida colossal amortizável a trinta anos, ao primeiro sinal de crise e de desemprego abarbata a casa aos desgraçados que ficaram sem ele, ele trabalho, inocentes a favor de quem ninguém na AR se ergueu a defender. Fizeram-no agora somente em relação às penhoras do fisco. Na democrática Holanda enquanto estiver desempregado o estado assume os encargos com o pagamento de rendas ou a prestação da casa e do carro, sim é solidariedade, por cá é o estado que lha tira e persegue o desgraçado com ameaças fiscais até muito depois de ter ficado sem a casinha se por acaso o IMI ficou por pagar. Ora a juventude, que não é parva de todo pura e simplesmente foge deste país de agiotas que contudo e tratando-se deles mesmos se abotoa, como vimos há dias na AR em relação ao financiamento dos partidos.


O que a maltinha não sabe é que para Salazar, o tal bandido das costas largas, a casa era sagrada, embora eu deva recordar aqui uma das máximas salazaristas, "a politica é para os politicos" dogma que automáticamente autorizava a PIDE a entrar a quaisquer horas na casa de quem não pertencesse ao bom povo trabalhador. Fora este nada despiciendo pormenor a casa, a habitação familiar, era lugar sagrado e quer inquilino ou comprador quer senhorio ou banco, tinham direitos e deveres que nenhum se atrevia a pôr em causa porque a casinha era mesmo sagrada, relembremos "Deus, Pátria, Familia" e nem a banca a tiraria, se não quisesse correr riscos não tivesse concedido crédito. Nem o banco nem as finanças dispunham de leis que lhes permitissem abrir mão dos desaforos e criar os dramas que esta democracia tem permitido, porém ai de quem incumprisse pois se havia direitos também havia obrigações, havia direitos sim, muitos mais direitos que hoje, e deveres, deveres, coisa que hoje ninguém parece saber que seja, nem querer saber. Hoje nem há deveres nem há vergonha, nem responsabilidade, nem competência, tema para um outro texto.

As imobiliárias prestam um serviço, são necessárias, não tantas quantas há mas são necessárias, quem venderia os milhares de imoveis que a banca financiou e tirou aos portugueses ? Quem promoveria a justiça e a injustiça ? Sim porque por trás de cada casa penhorada há um drama, e por cada casa vendida barata em leilões ao desbarato existe uma boa oportunidade de compra, ou um oportunista. Empobrecem-se uns para enriquecer outros. Quantos pobres são necessários para fazer um rico ? *

As imobiliárias são necessárias, intermedeiam, prestam um serviço, mas não esqueçam, não produzem um caralho, nem um tijolo, uma janela, uma porta, as Caldas da Rainha ao menos produzem-nos, e outra loiça, a AutoEuropa produz carros, as adegas vinhos, mas as imobiliárias mexem em dinheiro, de uns para outros, nada se cria, nada se acrescenta, nada produzem, apenas aproximam interessados em vender de interessados em comprar, são um elemento imprescindível e funcional do mercado, mas não façamos confusões, nem Sócrates o melhor comissionista da história conseguiria aguentar um país à base de comissões.

Vivemos num mundo de faz de conta, de ilusão, em que a banca, asfixiada com o crédito mal parado e as chamadas imparidades mais parece um presidente de câmara lançando comissões, derramas, taxas e taxinhas sobre tudo e sobre nada, quem casa quer casinha, mas parece-me que quem quer casar primeiro desanda daqui, emigra, vende a casinha se a tem, ou se ainda a tem ou nem chega a comprá-la, e que mal faz ? A banca agora nem é nossa já, nem nada é nosso já, não demora que nem precisemos de emigrar, seremos emigrantes e explorados na nossa própria terra e tudo isto deles, dos outros…

Vendem-se cada vez mais casas em Portugal, é bom, ou mau ? Cada um de vós que ajuize por si mesmo ...

* Frase atribuída a Mia Couto.

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

483 - " PASSAJAR-MI "


" PASSAJAR-MI "
   
Abro a caixinha da costura,

procurando o ovo centenário,

foi da bisavó, da avó da mãezinha, e inda dura,

andou de cestinho em cestinho, vivendo solitário,

olho os veios da madeira velha,

como voltas de um novelo, veios como rugas,

ofensa ao materialismo, centelha,

lume, tradição, soltando chispas, faúlhas.

  

Enfio o ovo p’la meia a passajar,

de dedal, a linha enfiada já pela agulha,

pico-me, retraio-me a praguejar,

o sangue surgindo lento e a pingar,

penso rápido, e mais rápido vou buscar um penso,

remendo-me com calma e o pinga-pinga estanco.

 

Pensando se poderia passajar a alma,

a alma, as almas deste mundo denso,

onde pontifica o civilizado branco

prenhe de dividas, à terra, à natureza,

sonhando rumar a Marte em caravela,

quando para passajar este lhe falta destreza,

fugindo, levando os eleitos, os outros deixando à luz da vela

ficando e comendo-se uns aos outros,


até ao último, e aos poucos.
   
Humberto Baião - Évora, 19-12-2017


quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

482 - ** NEW CONCEPT EXPOSITION, NEW CONCEPT GALLERY, NEW CONCEPT INVITATION TO NEW CONCEPT COFFEE & SHOP


Um andará pelos quarenta, o outro pouco aquém disso, disputam a pujança dentro do grupo dos “Amigos Do Pidal” e pedalam, vinte, trinta, quarenta ou mais quilómetros cada sábado, cada domingo, em cada arrancada. De semana trabucam e trocam impressões, sentados na esplanada do New Concept Coffee & Shop esgrimem pedaleiras, calções, carretos, equipamentos, rodados, óculos de vidrado espelhado, pisos, mas também riscos, cores, desenhos, esquiços, pinturas, quadros e visões, sonhos.


Foi num destes momentos que os apanhei e disparei a Polaroid, fixei a imagem, agora há que levá-la à tina do preparado e revelá-la porque vocês ainda não o sabem mas sei-o eu já, a revelação mostrou-se surpreendente, uma verdadeira revelação aliás como deverá ser qualquer surpresa que se preze. Então não foi que após tantos anos vividos na mesma cidade, sem se conhecerem, as bicicletas os aproximaram ?


Talvez não deva dizer aproximaram, talvez deva dizer ligaram, já que entre eles se descobriram ambos adeptos das mesmas cores, das mesmas tendências, do mesmo gosto pelos lápis, pelo carvão, traço, risco, desenho, pintura, até se descobrirem ambos pintores, artistas da tela e do pincel, das bisnagas, dos cavaletes, tendo-se então olhado bem e descoberto a si mesmos iguais em muitas coisas, até na cor dos olhos e, de descoberta em descoberta, chegaram à conclusão que o pai de um deles assim assado mas também o pai do outro assado e assim, p’lo que apesar de demorada a coisa acabou por ser concluída, eram irmãos ! Digo meio irmãos !


Então não foi mesmo uma revelação surpreendente ? Até eu, a quem pouca coisa já surpreende fiquei admirado, espantado, pasmado com esta constância e exuberância dos genes, dos cromossomas, do ADN, claro que depois surgiu naturalmente a pergunta; por que não contar esta linda história ? Como ? De que modo ? Arranjando uma base, um pódio onde colocar os manos em exposição e com uma pequena legenda por baixo ? Vestidos de ciclistas ? Nus ? De pincel na mão ?


É inverno, está frio, e quem viria ver dois cabeludos mal encabelados em cuecas ? A história é bonita, comovente, surpreendente e, depois de lhes conhecer as obras sugeri que ao invés deles se mostrassem os seus quadros, e daí até sondarmos o Nuno Fernandes foi um passo, há que aproveitar o espaço, o espaço e o conceito do seu café. O sorriso rasgado que nos serviu de bandeja mal lhe esboçámos a ideia tirou-nos todas as dúvidas, e a Dora ?


A Dora adora estas coisas, cores, pintura, desenhos, adora tudo isso e pintar os olhos, estava montada a marosca.


Depois foi dar aos pedais, projectar a coisa, convidar mais criaturas, artistas locais, regionais, promover o artista local, pescámos o João Concha da Rusty Place * um consagrado para âncora, ficará exposto mal se entre no café, uma escultura num ponto central p’ra deslumbrar, p’ra surpreender e criar uma centralidade, uma atmosfera, é artista conhecido e batido nestas lides, bom tipo, terapeuta, pachorrento, bonacheirão e amigo de toda a gente, comedido quanto deve ser um artista.


Além dele o José da Fonseca, também ele já rodado e com quem expositoremos de braço dado, é um apoio sólido, como se diz agora, uma mais valia considerável e nada despicienda, talvez arregimentemos a Sandra Bravo, a Helena Sousa, e sabe Deus quem mais pois a coisa já começou a andar sozinha, já está imparável e não queremos excluir ninguém, antes incluir todos, quem sabe se aparecerá a Sara Caieiro com algumas pinturas ou barros, a Sandra está lá longe no Porto e poderá não participar, é pena, haverá uma próxima, haverá mais, este é o meu modo de meter as mãos nas tintas, nas cores, na argila, no ferro, a vida só é bem vivida se nos lambuzarmos dela nã é ?


Será giro, ver como eles vêem o mundo e no-lo mostram.












domingo, 17 de dezembro de 2017

481 - O OBSERVADOR QUANDO OBSERVADO .....


Claro que gosto de encontrar e de me encontrar com os bons amigos, de confraternizar, de falar, largar umas larachas, beber uns copos, petiscar umas coisas, mordiscar outras. Quem diz amigos diz amigas, não faço discriminação de géneros, nem sequer ao Apolinário que é todo não me toques, e eu não lhe toco, desde que fiquemos por aí tudo bem, não perde o malmequer as pétalas nem eu fico menos macho por isso.

  Por isso ou por isto, ou por aquilo, de vez em quando lá vem à baila o estranho facto de eu gostar de ler no café, e realmente gosto, e muito, é no meio do bulício que encontro a paz e provavelmente a coisa terá muito a ver com o facto de há mais de quarenta anos o meu sitio predilecto ter sido o Café Portugal, uma colmeia, um enxame, um mundo, cosmopolita como nunca mais tivemos outro, uma tertúlia, aliás dezenas de tertúlias, uma por mesa e dentro de cujo burburinho, zum zum, zoada, fumo de tabaco e cheiro a café, banhado num estável e constante murmúrio me sentia como peixe na água, ou melhor num aquário.
      
 Ali conseguia o milagre da evasão, da descontracção, do relaxamento tibetano de que me falou anos mais tarde a Constança, toda ela prenhe das influências do yoga, do flower power e de dois livros que lera na altura e estiveram na berra, “Viagem ao Mundo da Droga” e poucos anos mais tarde “Os Filhos da Droga” duas obras de referência para gente passada, gente de quem diríamos hoje cobras e lagartos, gente para quem a loja dos Porfírios, ou dos Por-fi-ri-os na baixa pombalina era o supra sumo da modernidade.

  Não vejo o que possa haver de estranho no facto de ler no café, dantes estudava, já que o silêncio me perturba imenso e nem me permite concentrar-me, como se o organismo ficasse alerta, tenso, pronto a disparar como uma mola ao mais pequeno ruído e contudo esse mesmo ruido envolve-me, embala-me, consegue que o ignore e dele me isole numa bolha, relaxe, pois bastará que todo ele se suma repentinamente para que eu então levante os olhos curioso do calar dos pássaros, todos eles emudecidos ao mesmo tempo.
  Foto: Helena Margarida de Sousa - Évora

Existe portanto uma gigantesca diferença ou poderá existir, entre o que alguns de nós acham estranho e a opinião de muitos outros, os quais advogam parecer completamente contrário. É possível, e acontece, o modo de pensar, de ver, de observar, variar de pessoa para pessoa de acordo com a sua visão da coisas, do mundo, de acordo com os seus interesses, variando até de acordo com deformações profissionais cujos reflexos induzem a ver ou a olhar só, ou sobretudo, numa determinada perspectiva. O mesmo em relação a qualquer quadro numa exposição de pintura. Aliás a própria pintura não evoluiu por fases ao acaso, o naturalismo, impressionismo, o expressionismo, o surrealismo, o abstraccionismo, o cubismo, o construtivismo e tutti quanti mais não são ke diferentes formas de ver a realidade, e de a mostrar claro…

  Não esqueçamos espécimes como o meu amigo Morais, provocador, extrapolador, nem além destas tipologias o visionário, nem o sonhador. É aqui que torna a entrar o meu amigo Apolinário, por procurar ver e mostrar precisamente o que não está à vista, no que é o oposto da Constança. O meu amigo Apolinário escreve epitáfios, uma ocupação senão curiosa pelo menos caricata mas que leva muito a sério. Ele busca, escava nas biografias dos defuntos não para garimpar o que toda a gente sabe mas o que neles seja nobre, sendo essa pepita que nos dá a ver, nos mostra, uma faceta do morto até ali ignorada ou desconhecida, o lado bom dessa alma, quantas vezes causa de espanto e de estranheza.
                         Foto: Helena Margarida de Sousa - Évora

Porém a Constança, fotógrafa amadora com algum jeitinho para a coisa, é mais prosaica na busca desse mesmo espanto ou estranheza com que nos possa cutucar a curiosidade, ela busca e mete em destaque, exacerba o que possa ficar escondido arrancando o banal à sua quieta banalidade. Ela engrandece, ou glorifica, destaca, põe em evidência o que de outro modo ficaria esquecido, ignorado, desprezado numa perspectiva da qual ficaríamos alheados.

 À sua maneira ambos me espantam, a ele convidá-lo-ei enquanto é tempo a que me escreva o obituário, ela que me fotografe em grande plano esta carinha laroca, em especial o sinalzinho catita, herança familiar, pois é sempre por ele, é sempre por aqui que os avanços da Benedita começam, mais madura e impaciente, e outra amante genuína da fotografia cuja insistência não trava enquanto não pousa a máquina e contrariado lhe mostro um outro sinal, a operar e remover em breve por tropeçar nele a fivela do cinto e me atormentar de dores quantas vezes nem sei já, só sei que mal sinto a sua mão junto ao umbigo lhe adivinho o costumeiro pedido:
                             Foto: Helena Margarida de Sousa - Évora
- Deixa tirar uma fotinha para o meu álbum da ciência, deixas fofinho ?

  E eu, impaciente, disparando e repetindo eternamente a mesma ladainha:

  - OK Benedita, depois tiras, agora manda lá vir as caracoletas na chapa quente e umas cervejas bem frescas…
   
  E enquanto chupava e mastigava as caracoletas numa tasca catita ali ao Largo de Alcântara, fui-lhe confessando serem com ela os meus melhores pensamentos, aliás fazia-me sentir borboletas no estômago, ao que ela não ficou de todo indiferente tendo retrucado:
  
 - Mas afinal quais são esses pensamentos se é que os podes dizer pois nunca chegaste a dizer-me o que pensas, ou sequer quando me pensas.

  Eu quedei-me pensando, depois de muito pensar, que o melhor seria calar-me pois se começo posso cair no exagero, e mal por mal antes o desespero, mas ela, matreira, adivinhando-me o cogito;

  - Deixa-te de tretas já me conheces.

  Eu, a medo, baixinho, quando te sonho até te cheiro.

  - E a que cheiro eu dizes-mi ?
  
 A flores de rosa, a maçãs verdes, jasmim, e já me tens cheirado a mel, cheiros que adoro e aos quais associo sabores, a flores de rosa se sonho beijar-te o peito, a maçãs verdes se atrevido ajoelho abraçando-te p’los joelhos, lambendo-te as coxas, encostando a testa ao teu ventre quente, a jasmim se tu sim, dizes que sim e te metes a jeito, a mel porque só o mel chama as abelhas e é o principio de tudo…
   
       - És tão intenso no que dizes. Quase o sinto ao dizeres-me isso, és um homem sábio Leonardo.

Se não houver beleza no que somos, no que fazemos e dizemos, seremos bichos, quase te sinto agarrando-me com força os cabelos quando te sonho
  
- E eu faria isso mesmo fonix.
   
E eu adoraria fazê-lo, e que o fizesses, seria por aí que adoraria começar-te, pelo cheiro, p'lo sabor acre de maçãs verdes, por esse mel da natureza, saborear-te as coxas primeiro e dar tempo a que uma flor abrisse na floreira do beiral... E gostarias ? Será que desabrocharias como uma flor matinal ?
   
- Qual a dúvida?
   
Não é dúvida, temos que dar tempo ao desejo, torná-lo urgente, imparável enquanto, paciente, espero que prometas e cumpras,
  
 - Não sou de promessas mas se as faço cumpro.

  Abriria então docemente as pétalas para as beijar se e quando as tuas mãos, carregando o vaso, exigissem aflitas que o fizesse pois amo ser um querido e de me saber querido ao saborear-te, abrir a flor da manhã com dois dedos e beijá-la, lambê-la, sugá-la porque, como canta Ney Mato Grosso,

  No fundo do tacho um gosto de fel

Mas um dia as abeias se vortam todinha

No milagre da lida, ai, o amor vira mel


E no milagre da lida, ai, o amor vira mel  *


- És muito bom com as palavras e não precisas de Ney Mato Grosso para te ajudar. Eu não consigo competir com isso.

  
Mas amo a música e gosto de mel como as abelhas. E não quereria uma competição, querer-te-ia a ti, beijar a tua pele branca de mármore, o mel e tu e eu…
  
- Tu deixas - me sem palavras.
  
 Tu inspiras-mas Benedita.

  - Ai Leonardo ai ai, tu lixas -me a cabeça.

  Talvez agora entendas por que me "furto" a ti, vida é beleza, ensinou-me a Rosa Silva.

  - Inteligente isso sim.
   
E a beleza, se não se frui, respeita-se, não se conspurca, claro que eu podia sonhar com a beleza, e até excitar-me com ela mas quem senão eu tem obrigação de estimar o objecto do meu amor ? Respect, és um rochedo.
   
- Rochedo ?

  Sim, rochedo, não percebes nada de filosofia pá, és um rochedo.

                                    Foto: Aldeia da Terra - Évora


Tu és como um penedo, falas pouco, nunca dizes nada, pouco ou nada dizes, mesmo assim sonhei contigo, eras uma fada e eu, acabrunhado, tive porém ainda tacto para, envergonhado, te soprar os cabelos da testa quadrada e nela depositar um beijo matreiro, depois nos olhos, roçando na tua face a minha face, os lábios nos teus lábios e, ruborescendo, qual aventureiro, tocar c’a ponta da língua a tua língua o que, despertando aberto o apetite, viu despertar também um seio a descoberto, oferecido coroado por doce auréola, então, toldada a minha mente, endoidecida p’la névoa, desatou-se-me a língua enlouquecida que, passeando-se nele, tornada anónima pelo denso nevoeiro dessa praia, ousou poisar com doçura no mamilo, sugado com filial ternura sim mas, abruptamente arrependida, recolheu ao palato atrapalhada quando, gizando-me na mente uma guinada, levou-me a genuflexão acalorada, pelo que me persignei e, sinceramente acanhado, aflito e embaraçado, mergulhei em ti desvairado, ébrio do teu olor, ávido do teu sabor, tendo sido então que, receoso do Senhor, arrependido acordei desse sonho lindo que tudo daria para não dar por terminado chamando-te minha.